Páginas

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Maldito vento

Por que penetraste profundo em minha alma
Sem nem ao menos pedir permissão?

Chegaste, e de repente já era como se tivesse sempre sido
Arrasaste com todos os alicerces
Desmoronaste a solidez das certezas 
Arruinaste com a concepção da felicidade
Fizeste-me perder a vontade de viver
Acabaste com o que eu mais confiava em mim
Povoaste meus sonhos noturnos, outrora tão tranquilos
Inquietaste minha alma serena
Jogaste-me no abismo das confusões

E ainda assim, não sei bem porque, mesmo me fazendo tanto mal, te quero por perto afinal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário