Páginas

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Manifesto!!!

Manifesto!!!

Prezado,

Gostaria de relatar algo que considero inadmissível vindo de um órgaão público como o CNPq, que financia e dá suporte a tantos já e futuros pesquisadores brasileiros. Sou aluna de doutorado pela Unicamp, e recentemente fui contemplada com uma bolsa de estágio no exterior para fazer parte do meu doutorado na Suécia. Utilizando um dos números que me foram dados na carta de informação da bolsa, liguei p o CNPq para ter mais informações a respeito do pagamento de passagens, auxílios e mensalidade, uma vez que viajo no início de dezembro e já estamos em novembro. Apesar de esperar mais de 30 min sendo passada de ramal para ramal sem receber a informação que desejava, ainda assim me mantive calma, afinal... são tantas coisas que o CNPq tem pra resolver, deve ser normal isso...
Mas ao chegar no setor de pagamentos de bolsas no exterior - número 61 21089824, com um senhor cujo nome não recordo pois foram tantos os nomes que ouvi ao longo da minha jornada telefônica, não só fui destratada como também não obtive informações. Esse senhor, que me garantiu em algum momento, que só ele atende este número de telefone, primeiramente me tratou como "minha filha" em tom exaltado (como se eu tivesse lhe feito algum mal; como se era a primeira vez que conversávamos?) e me disse que ele não poderia procurar uma simples informação que eu queria - APENAS QUERIA SABER SE MINHA BOLSA E TODOS AUXÍLIOS AOS QUAIS TENHO DIREITO JÁ FORAM OU NÃO DEPOSITADOS EM CONTA CORRENTE. Ele me fez voltar ao suporte, à coordenação e outros telefones à procura da informação. Qdo eu liguei novamente para esse setor de pagamento e expliquei que TODOS me disseram que eu deveria ligar para esse setor, novamente fui destratada! E ao tentar explicar que um pouco mais cedo já tinha obtido informações nesse mesmo número, esse senhor fala para mim : "mas como? vc não pode ter falado com ninguém? Só eu atendo a esse número? Só se a pessoa estava sentada no meu colo!". Mais uma vez mantive a calma e pedi que ele verificasse, por favor, se havia o pagamento da minha bolsa (repassei o número de meu processo). Depois de muita discussão, ainda que ele dissesse que não era com ele, finalmente ele encontrou a informação que eu buscava. Eu tentei perguntar mais... se por ex. ele teria acesso à informação de quando o dinheito cairia em conta, já que viajo muito em breve e necessito do dinheiro (apesar de um amigo meu, cuja viagem só será em janeiro e tivemos resposta da bolsa sandwich na mesma época, já estar com o dinheiro em conta). Não contente com tanta grosseria e falta de educação ele mais uma vez se referiu a mim em tom exaltado " ai o problema não é meu! Vc tem que esperar mais um pouco!"
Obviamente, depois de ter sido destratada, engrossei o timbre da voz e falei pra ele que só precisava de uma informação, informação que ele tinha acesso mas não queria me dar. E que se fosse pra trabalhar estressado que não trabalhasse, afinal somos nós brasileiros que pagamos o salário dele.
Eu gostaria muitíssimo que essa reclamação não passasse despercebida. Afinal, se existe essa opção de reclamação ela deve servir a nós usuários e beneficiados dos serviços do CNPq. É triste ver que até pra nós estudantes tentarmos nos aperfeiçoar e trazer mais conhecimento pra nosso país temos que ser tratados dessa forma, forma essa que não se deveria tratar ninguém. Me pergunto por que essas pessoas trabalham com o público se não sabem respeitá-lo. Fui desrespeitada como pessoa, estudante e cidadã brasileira!
Espero realmente que minha mensagem tenha alguma repercussão.
Mais uma vez lembrando: um senhor que atende no setor de bolsas do exterior no número 61 2108 9824.
Certa da compreensão de vocês,

Maria Sozza

Nenhum comentário:

Postar um comentário